Homem vai ao médico com dor no dedão do pé e o que descobriu choco a todos ‘Todo cuidado é pouco’

Publicidade

Da dor no dedão do pé ao câncer terminal. Lá vivia Richard Bernstein, um homem de 62 anos de Nova Jersey, nos Estados Unidos. Em entrevista ao The New York Post publicada na última terça-feira (14), o aposentado disse que começou a sentir dores no local há cinco anos.

Durante uma visita ao podólogo, foi descartado que ele havia quebrado um osso. Achei que ele tivesse quebrado o dedo do pé, mas o médico não conseguiu encontrar nada, disse Richard ao jornal. Dois anos depois, a dor chegou ao tornozelo. Ele então foi ver um médico de medicina esportiva, que acreditava que o paciente tinha algo chamado estenose – um estreitamento dos espaços dentro da coluna que geralmente é tratado com fisioterapia.

A dor no pé e tornozelo persistiu, afetando levemente sua mobilidade. Então, em março de 2022, sua perna direita ficou completamente inchada. Ele foi ao seu médico de família, que realizou uma tomografia abdominal durante os exames. O médico imediatamente o encaminhou ao especialista Dr. Michael Grasso, diretor de urologia do Hospital Phelps, que lhe deu a notícia perturbadora. Ele me disse que eu tinha quatro dias de vida, lembrou Bernstein.

O exame revelou que o homem tinha um grande tumor no rim e um trombo tumoral (coágulo sanguíneo). Este crescia pela veia renal e enchia a veia cava, o principal vaso que leva o sangue ao coração. Além disso, duas das principais artérias coronárias de Richard foram bloqueadas e seu fígado falhou porque o câncer havia interferido na função do órgão. Ele estava andando na corda bamba, disse o médico.

Segundo Grasso, a causa das dores nos pés dos aposentados foi a obstrução das veias pelo tumor e trombo, já que os sintomas do câncer de fígado costumam aparecer em estágio avançado do tumor.

Três médicos realizaram a operação de emergência, que durou quase 12 horas. Além de Grasso, o cirurgião cardiotorácico Dr. Jonathan Hemli e o cirurgião vascular Alfio Carroccio. O tumor e o trombo tumoral tinham cerca de 30 centímetros de comprimento e pesavam quase 1,2 kg. Se minha perna inteira não estivesse inchada, eu teria caído morto, disse Bernstein.

Após a retirada do tumor, os médicos inicialmente descartaram a necessidade de quimioterapia para Richard, que já anda sozinho e se recupera da operação – ele perdeu cerca de 30 kg no processo. Meu conselho é que se algo te incomoda, não desista de procurar o diagnóstico. Confie em seus instintos, o senhor explicou.

Veja mais detalhes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top